Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Web.br 2017 reflete sobre desigualdades no acesso, uso e desenvolvimento de tecnologias

Notícias

Web.br 2017 reflete sobre desigualdades no acesso, uso e desenvolvimento de tecnologias

Evento reuniu mais de 300 participantes durante dois dias de atividades

publicado: 26/10/2017 14h56 última modificação: 26/10/2017 14h56

Inclusão de acesso, equidade de gênero na tecnologia e desigualdades no universo de machine learning. Os temas foram discutidos por keynotes speakers nesta quarta-feira (25), segundo e último dia da Conferência Web.br 2017. Durante dois dias, o evento reuniu mais de 300 participantes entre estudiosos, profissionais brasileiros e de outros países em debates aprofundados a partir do tema "Imersão e Transcendência". A 9ª edição da Web.br acontece com a realização do Centro de Estudos sobre Tecnologias Web (Ceweb.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) e apoio do Escritório Brasileiro do World Wide Web Consortium (W3C Brasil). 

"Nenhum dado é completamente imparcial", sentenciou Onome Ofoman, engenheira de software do Google. Na Web.br 2017, a especialista analisou o preconceito presente em ferramentas de machine learning, técnica de inteligência artificial usada em análise de dados. Onome citou um exemplo hipotético do uso de aplicação de machine learning num processo de admissão na universidade para um curso de ciência da computação. "Com o modelo baseado em dados históricos, teremos mais informações sobre homens admitidos do que mulheres. Esse é um problema real. O dado histórico nesse caso não está refletindo o que queremos que aconteça no futuro", afirmou. Ideias morais não estão refletidas em inteligência artificial, assim como a falta de dados que representam cenários diversos e de equipes formadas por profissionais com experiências diversas são questões listadas por Onome para explicar as desigualdades em aplicações de machine learning

A maioria das soluções tecnológicas que estão revolucionando a vida das pessoas é desenvolvida por homens. Mas por que isso acontece? "Questões culturais, falta de apoio da família, a pressão dos pais para escolher uma área mais tradicional são alguns motivos apresentados pelas meninas para não escolher a área de tecnologia", explica Tanara Lauschner, professora e diretora do Instituto de Computação da UFAM e conselheira do CGI.br. Na palestra "Contribuindo para o equilíbrio de gênero na tecnologia", Tanara detalhou os programas Cunhantã Digital e Meninas Digitais, ambos com foco em aumentar o número de mulheres na área de tecnologia. "As meninas muitas vezes não se acham suficientemente capazes. Por meio de palestras, oficinas e cursos de programação com alunas do ensino fundamental e médio, procuramos incentivar e despertar o interesse delas pelo assunto", afirmou. 

Usuários que não enxergam, escutam ou têm mobilidade reduzida, entre outros tipos de deficiência, devem ter uma experiência completa de acesso à Web e novas tecnologias como vídeos 360º e aplicações em realidade virtual. Na palestra "Imersão, Interação e Inclusão", Reinaldo Ferraz, especialista em Desenvolvimento Web do Ceweb.br e W3C Brasil, enfatizou que novas interfaces também precisam ser acessíveis. "Temos que garantir o acesso de todas as pessoas, não só porque é um direito delas, mas também porque em algum momento da vida qualquer pessoa pode precisar de recursos de acessibilidade, seja por baixa acuidade visual ou destreza manual", reforçou. 

De acordo com o Censo de 2010, mais de 45 milhões de brasileiros declararam ter algum tipo de deficiência. "Temos que nos colocar no lugar das outras pessoas e identificar necessidades. Nos preocupar, por exemplo, em fornecer alternativas, apresentar o conteúdo em diferentes maneiras, facilitar a audição e visualização, disponibilizar funcionalidades por teclado, não criar conteúdos que cause convulsões", listou Reinaldo, que também convidou os participantes do evento para conhecer e se engajar no Movimento Web para Todos, do qual o Ceweb.br é parceiro. 

"A Web.br se preocupa com a diversidade, buscamos promover o equilíbrio de gênero entre palestrantes e, na programação, ressaltar a importância do acesso, uso e desenvolvimento de tecnologias de forma aberta, além de fazer um alerta para o tipo de profissional que o mercado está exigindo", considera Vagner Diniz, gerente do Ceweb.br e do W3C Brasil. 

Blockchain e games

Workshops, apresentações e mesas redondas sobre temas diversos também marcaram o segundo dia da Conferência Web.br 2017. Em workshop com a equipe da IBM Brasil, os participantes da Conferência foram além da teoria e tiveram a oportunidade de aprender na prática os conceitos básicos de blockchain, além de desenvolver uma aplicação utilizando a tecnologia. As experiências de imersão por meio dos games também foram destaque a partir do workshop do pesquisador Luiz Carneiro, do CSGAMES - Computação, Semiótica e Games, grupo de pesquisa da PUC-SP. "Os games são as arenas de interação mais eficientes que existem", enfatizou. Carneiro também explicou os conceitos e forneceu dicas para a produção de experiências imersivas utilizando gamificação. 

Publicações digitais

O panorama das publicações digitais no Brasil entrou em pauta a partir da apresentação de Clécio Bachini e Gabriela Dias, ambos da AED (Amigos dos Editores Digitais). Formato de publicação mais avançado, o EPUB3 possui recursos como conteúdo multimídia, formato aberto, acessibilidade, linearidade e flexibilidade, possibilidade de visualização on-line e off-line, entre outros. "As tecnologias do livro digital estão maduras. O EPUB, principalmente com o respaldo do W3C, é um modelo absolutamente maduro, suporta a construção de um livro com todas as características de aplicativo. É um excelente modelo para a migração dos paradigmas do impresso para o digital", avaliou Clécio Bachini. A popularização das publicações digitais também foi comentada no evento. "A indústria editorial não está negando o potencial dos livros digitais, só está tentando fazer com que o modelo de negócio envolvendo os impressos dure o maior tempo possível", complementou Gabriela Dias.

Segurança e privacidade

"Segurança tem que ser nativa, não é opcional", alertou Lucimara Desiderá, do CERT.br, durante a palestra "Segurança em IoT: o pecado está no básico". Desiderá listou as principais vulnerabilidades – entre elas, projetos que não levam a segurança em conta –, os riscos para usuários e empresas, além das motivações dos criminosos, que envolve desde ganho financeiro a vandalismo. Casos de dispositivos IoT comprometidos como babás eletrônicas, brinquedos, carros e até marcapassos foram listados pela especialista, que também apresentou recomendações para os usuários. "Melhorar o cenário depende de diversos atores, desde desenvolvedores, administradores, fabricantes, acadêmicos até os usuários. Devemos ser criteriosos ao escolher os fabricantes de produtos, verificar o histórico de tratamento de vulnerabilidades pelas empresas, assim como assumir que os dispositivos virão com problema e, portanto, mantê-los atualizados e alterar as senhas padrão", recomendou. 

Em discussão complementar, Bruno Bioni, advogado do NIC.br, e Jamila Venturini, assessora técnica das atividades do CGI.br, analisaram os desafios e oportunidades de tecnologias como realidade virtual e realidade aumentada no contexto da proteção aos dados pessoais. Jamila lembrou que os metadados são processáveis, combináveis e fáceis de manipular - o uso de novas tecnologias pode permitir, portanto, a coleta de dados sobre o movimento dos olhos, a temperatura do corpo e os batimentos cardíacos dos indivíduos, entre outros exemplos. 

"As implicações dessa coleta massiva vão além da privacidade e envolvem a liberdade e autonomia dos usuários, a concentração de informações em poucas empresas, a vigilância do Estado, o marketing e publicidade direcionada, e pode ainda impactar em questões como o acesso ao crédito, por exemplo. Temos ainda implicações sociais que não conseguimos prever", considera. Em concordância, Bioni aponta que as tecnologias de realidade virtual e realidade aumentada reconfiguram espaços de interação social e nos deixam suscetíveis a maior manipulação. "Por outro lado, também podemos aplicar essas tecnologias para visibilizar a coleta (ainda opaca) das nossas informações, utilizando-as como ferramental em processos de conscientização sobre a importância da proteção dos nossos dados pessoais”, sugere Bioni.

Agenda

Ainda nesta quarta-feira (25), o evento promoveu discussões sobre boas práticas para dados na Web, experimentos para aprender Internet das Coisas, entre outros assuntos. O lançamento do portal de boas práticas do Ceweb.br para vídeos 360º (http://labweb.ceweb.br/360/), debates sobre realidade virtual multissensorial e os impactos e rupturas da Internet e da Web marcaram as discussões na terça-feira (24), primeiro dia da conferência. Os vídeos de todas as apresentações realizadas na Web.br 2017 serão disponibilizados em breve no sítio do evento e também no canal do NIC.br no YouTube. 

Sobre o Ceweb.br

O Centro de Estudos sobre Tecnologias Web (Ceweb.br), do NIC.br, tem como missão disseminar e promover o uso de tecnologias abertas na Web, fomentar e impulsionar a sua evolução no Brasil por meio de estudos, pesquisas e experimentações de novas tecnologias. No escopo de atividades desenvolvidas pelo Centro, destacam-se o estímulo às discussões sobre o ecossistema da Web e a preparação de subsídios técnicos à elaboração de políticas públicas que fomentem esse ecossistema como meio de inovação social e prestação de serviços. Mais informações em http://www.ceweb.br/. 

Sobre o Escritório Brasileiro do W3C

Por deliberação do CGI.br, o NIC.br agrega as atividades do escritório do W3C no Brasil - o primeiro na América do Sul. O W3C é um consórcio internacional que tem como missão conduzir a Web ao seu potencial máximo, criando padrões e diretrizes que garantam sua evolução permanente. Mais de 80 padrões foram já publicados, entre eles HTML, XML, XHTML e CSS. O W3C no Brasil reforça os objetivos globais de uma Web para todos, em qualquer dispositivo, baseada no conhecimento, com segurança e responsabilidade. Mais informações em: http://www.w3c.br/.

Sobre o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC.br

O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR — NIC.br (http://www.nic.br/) é uma entidade civil, de direito privado e sem fins de lucro, que além de implementar as decisões e projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil, tem entre suas atribuições: coordenar o registro de nomes de domínio — Registro.br (http://www.registro.br/), estudar, responder e tratar incidentes de segurança no Brasil — CERT.br (http://www.cert.br/), estudar e pesquisar tecnologias de redes e operações — Ceptro.br (http://www.ceptro.br/), produzir indicadores sobre as tecnologias da informação e da comunicação — Cetic.br (http://www.cetic.br/), implementar e operar os Pontos de Troca de Tráfego — IX.br (http://ix.br/), viabilizar a participação da comunidade brasileira no desenvolvimento global da Web e subsidiar a formulação de políticas públicas — Ceweb.br (http://www.ceweb.br), e abrigar o escritório do W3C no Brasil (http://www.w3c.br/).

Sobre o Comitê Gestor da Internet no Brasil – CGI.br

O Comitê Gestor da Internet no Brasil, responsável por estabelecer diretrizes estratégicas relacionadas ao uso e desenvolvimento da Internet no Brasil, coordena e integra todas as iniciativas de serviços Internet no País, promovendo a qualidade técnica, a inovação e a disseminação dos serviços ofertados. Com base nos princípios do multissetorialismo e transparência, o CGI.br representa um modelo de governança da Internet democrático, elogiado internacionalmente, em que todos os setores da sociedade são partícipes de forma equânime de suas decisões. Uma de suas formulações são os 10 Princípios para a Governança e Uso da Internet (http://www.cgi.br/principios). Mais informações em http://www.cgi.br/.

Fonte: Notícia replicada do site http://www.nic.br/.