Você está aqui: Página Inicial > Notícias > SLTI debate Internet e papel do e-GOV nas Políticas Públicas

Notícias

SLTI debate Internet e papel do e-GOV nas Políticas Públicas

publicado: 19/11/2010 13h14 última modificação: 20/04/2016 09h29

Técnicos da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento (SLTI/MP) vão debater no próximo dia 22, ao lado de pesquisadores da área de TI de órgãos públicos, da iniciativa privada e do terceiro setor, a internet na perspectiva do Governo Eletrônico.

Esta é a pauta da Conferência W3C (World Wide Web Consortium) e-Gov, que ocorre em Brasília, com apoio da Caixa Econômica Federal e do Escritório do W3C no Brasil. A expectativa é de reunir cerca de 400 profissionais.

A idéia é avaliar os novos usos e as oportunidades da web para melhorar o acesso aos serviços digitais do setor público. Para isso serão discutidos assuntos como indicadores e desafios da internet brasileira, marco regulatório e infraestrutura nacional de dados abertos compartilhados pelo governo, além da exibição de experiências sobre esta iniciativa.

A SLTI vai disponibilizar, como estímulo a essa prática, levantamentos de aquisições governamentais por meio do ComprasNet, portal de compras do Executivo Federal. Serão feitas demonstrações sobre a participação das micro e pequenas empresas nos contratos e desembolsos feitos pelos estados na aquisição de produtos e serviços.

Consórcio

O W3C é um consórcio internacional que tem como missão conduzir a internet ao seu potencial máximo. A entidade promove palestras a vários segmentos da sociedade e traduz para o português documentos sobre o uso de padrões web, como o Mobile Web, Web semântica, e-Government e Acessibilidade.

Já o programa de Governo Eletrônico Brasileiro (e-Gov) utiliza Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) para democratizar o acesso à informação, aumentar a eficiência do Estado, melhorar a prestação de serviços públicos de maneira efetiva, com vistas a promover a maior fluidez das interações entre governos, empresas e cidadãos.