Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Planejamento encerra FOMENTA com apresentação sobre “Licitações Verdes"

Notícias

Planejamento encerra FOMENTA com apresentação sobre “Licitações Verdes"

publicado: 25/11/2010 12h57 última modificação: 20/04/2016 09h34

Curitiba, 25/11/2010 - Papel reciclado e seus derivados, como envelopes, são os itens mais adquiridos pela Administração Federal por meio das chamadas “licitações verdes”. Do total de R$ 10,8 bilhões desembolsados pelo Poder Executivo nos últimos dois anos nas contratações tidas como sustentáveis, R$ 3,7 bilhões foram destinados a produtos desse setor. Empresários do Distrito Federal, Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo e Goiás são os que mais venderam este ano ao governo.

O levantamento, feito pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento (SLTI/MP), mostra a preocupação em priorizar a compra de materiais fabricados com critérios que levem em conta a preservação do meio ambiente.

“O objetivo desse modelo é fortalecer o mercado de bens e serviços ambientais, aumentar a ecoeficiência no processo produtivo, apoiar a inovação tecnológica e induzir os compradores públicos para esse tipo de produto”, informa o técnico da SLTI, Fabrício Guimarães, que encerrou ontem à noite, em Curitiba, a participação do governo federal no 3o Fomenta, promovido pelo Sebrae para avaliar oportunidades de negócios voltadas às Micro e Pequenas Empresas (MPEs).

 

 

Consulta

Segundo ele, enquanto grande consumidora de bens e serviços, a administração pública pretende também esclarecer aos vendedores as exigências ambientais e sociais nos diferentes tipos de compra, reafirmando o comprometimento com empresas que possuam boas práticas em relação ao meio ambiente.

Isso porque, uma consulta feita pelo portal ComprasNet, do Ministério do Planejamento, com 1.717 órgãos públicos das três esferas governamentais, mostrou que 89% das entidades estão preocupadas em adotar cada vez mais critérios de sustentabilidade nas licitações.

Para incentivar a adoção dessas licitações, o MP editou em janeiro deste ano a Instrução Normativa nº 1, que prevê a inclusão de cláusulas “verdes” nos contratos e que deve ser seguida por todos os órgãos que contratem com recursos da União.

No caso da compra de materiais, os gestores são obrigados a observar, entre outros, processos de extração, fabricação, utilização e descarte do produto. “De certa forma, atitudes como essas ajudam a reduzir também o consumo de água e energia, emissão da poluição e geração de resíduos”, explica Guimarães.