Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Planejamento debate Compras Eletrônicas na Coreia do Sul

Notícias

Planejamento debate Compras Eletrônicas na Coreia do Sul

publicado: 24/08/2011 16h01 última modificação: 20/04/2016 09h27

O Ministério do Planejamento (MP) vai mostrar a representantes de mais de 50 países os avanços obtidos pelo Brasil em dez anos de realização de compras públicas por meio eletrônico. O assunto será abordado pelo especialista da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI), Carlos Henrique de Azevedo Moreira, durante a IV Conferência Internacional de Contratos Públicos (IPPC2010), de 26 a 28 deste mês, em Seul, Coréia do Sul.

Em 2009, as compras de bens e serviços comuns (materiais com padrões de qualidade com especificações usuais no mercado) da Administração Direta, Autárquica e Fundacional da esfera federal, em que a aplicação do pregão eletrônico foi obrigatória, somaram, em valor, 55% do total de tudo que foi adquirido. Quando essa estatística é analisada em quantidade de licitações realizadas, o percentual sobe para 86%. “Isso nos torna uma referencia para o mundo”, afirma Carlos Henrique, que é diretor do Departamento de Logística e Serviços Gerais da SLTI.

De acordo com ele, para atingir esta marca o Brasil investiu pesado em soluções de tecnologia, sistema de informação e treinamento de pessoal. O resultado, considerado muito importante, vem chamando a atenção de várias nações. O modelo do pregão brasileiro já é adotado pelo Paraguai e Peru e observado por outros países da América Central e Argentina. “Atualmente fazemos uso intensivo desse tipo de ferramenta para atender às necessidades governamentais”, acrescenta.

Essa experiência é um dos tópicos do artigo “Implementação do Sistema de Compras Eletrônicas no Brasil”, de autoria do diretor, que será também publicado nos cadernos da Conferência. O especialista do MP viajou a convite do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).


Inovação 

A IPPC é uma conferência bi-anual onde profissionais, pesquisadores e universidades de todo o mundo partilham práticas, inovação e conhecimento sobre contratos públicos. O evento é patrocinado por diversos organismos internacionais, como o Banco Mundial, Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas e Banco Asiático de Desenvolvimento.