Você está aqui: Página Inicial > Notícias > NIC.br e Governo Federal estabelecem diálogo sobre políticas públicas de TIC no Brasil

Notícias

NIC.br e Governo Federal estabelecem diálogo sobre políticas públicas de TIC no Brasil

Indicadores produzidos pelo CETIC.br estiveram no centro do debate, que reuniu representantes de diversos órgãos governamentais

publicado: 14/11/2014 03h00 última modificação: 24/06/2016 08h59

Os indicadores sobre a disponibilidade e uso da Internet produzidos ao longo dos últimos dez anos pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (CETIC.br), do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), estimularam um debate realizado na última quarta-feira (12), em Brasília (DF), sobre as políticas públicas de tecnologia de informação e comunicação no Brasil.

As pesquisas foram apresentadas, analisadas e debatidas entre representantes de órgãos do Governo Federal, com a mediação do CETIC.br, no evento Diálogo sobre Políticas Públicas e Indicadores TIC no Brasil, promovido pelo Ministério das Comunicações. Na ocasião, também foi lançado o estudo TIC Centros Públicos de Acesso 2013, que investiga a contribuição dos telecentros para a inclusão digital.

Na abertura do evento, o diretor-presidente do NIC.br, Demi Getschko, destacou a importância da produção de estatísticas com qualidade e pautada por parâmetros internacionais. “O CGI.br busca desenvolver benfeitorias para a Internet no Brasil. A produção de pesquisas sobre o uso da Internet no país permite que gestores e cidadãos criem estratégias de ações”.

Segundo o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, “para promover a universalização do acesso à Internet é de extrema importância entender os mecanismos mais viáveis e executáveis e as pesquisas do CETIC.br auxiliam nesse sentido".

O gerente do CETIC.br, Alexandre Barbosa, pontua que “é fundamental medir os avanços obtidos pelas políticas públicas por meio de indicadores confiáveis, relevantes, oportunos para a tomada de decisões, acessíveis a todos osinteressados, de baixo custo e suficientemente interdisciplinares para tratar a transversalidade das questões que envolvem adoção das TIC”, complementa.

Já a secretária de Inclusão Digital do Ministério das Comunicações, Lygia Pupatto, reforça que um dos maiores desafios para avançar no acesso, uso e infraestrutura da Internet é formar um ecossistema de articulação e inovação. "Para qualquer tipo de política, é preciso envolver órgãos do Governo Federal, Estados, municípios, ONGs e iniciativa privada. Está cada vez mais claro de que se não instituirmos a colaboração de todos e a transversalidade, as políticas não andam", declarou.

Banda Larga, infraestrutura e acesso a TIC no Brasil
No primeiro painel do evento, o coordenador da pesquisa TIC Domicílios, Winston Oyadomari, traçou um panorama sobre o uso da Internet no Brasil e expôs a série histórica do estudo, enfatizando o crescimento da proporção de domicílios com computador e o acesso à Internet domiciliar, que mais do que dobrou nesse período.

A TIC Domicílios 2013 apresenta a falta de disponibilidade do serviço na área rural, como a principal justificativa para ausência de Internet em 37% dos domicílios com computador. De acordo com o diretor de Banda Larga do Ministério das Comunicações, Artur Coimbra, o Governo possui uma meta de cobertura da Internet na área rural – até o final de 2015, espera-se atingir 91% dos domicílios rurais com acesso à Internet sem fio.

Inovação, desenvolvimento de software e produção de conteúdos digitais
O coordenador de projetos e pesquisas do CETIC.br, Fabio Senne, apresentou dados revelados pelas pesquisas TIC Domicílios, TIC Educação e TIC Empresas, destacando a popularização das redes sociais no Brasil. Além disso, Senne reforçou a necessidade de que sejam promovidas as habilidades para o uso das TIC. Os indicadores sobre a adoção das TIC pelo setor produtivo no Brasil, do desenvolvimento de software e das oportunidades e desafios para a produção de conteúdos digitais também foram abordados.

Serviços públicos e Internet
O último painel do encontro debateu os resultados da TIC Governo Eletrônico, TIC Educação, TIC Kids Online Brasil e TIC Saúde. O CETIC.br abordou a presença dos órgãos públicos na Internet, o cenário do uso das TIC nos estabelecimentos de saúde e o uso das TIC nas escolas e a proteção online das crianças.  

Sobre o CETIC.br
O Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, do NIC.br, é responsável pela produção de indicadores e estatísticas sobre a disponibilidade e uso da Internet no Brasil, divulgando análises e informações periódicas sobre o desenvolvimento da rede no País. O CETIC.br é um Centro Regional de Estudos, sob os auspícios da UNESCO. Mais informações em http://www.cetic.br/. 

Sobre o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC.br
O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR — NIC.br (http://www.nic.br/) é uma entidade civil, sem fins lucrativos, que implementa as decisões e projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil. São atividades permanentes do NIC.br coordenar o registro de nomes de domínio — Registro.br (http://www.registro.br/), estudar, responder e tratar incidentes de segurança no Brasil — CERT.br (http://www.cert.br/), estudar e pesquisar tecnologias de redes e operações — CEPTRO.br (http://www.ceptro.br/), produzir indicadores sobre as tecnologias da informação e da comunicação — CETIC.br (http://www.cetic.br/) e abrigar o escritório do W3C no Brasil (http://www.w3c.br/).

Sobre o Comitê Gestor da Internet no Brasil – CGI.br
O Comitê Gestor da Internet no Brasil, responsável por estabelecer diretrizes estratégicas relacionadas ao uso e desenvolvimento da Internet no Brasil, coordena e integra todas as iniciativas de serviços Internet no País, promovendo a qualidade técnica, a inovação e a disseminação dos serviços ofertados. Com base nos princípios do multissetorialismo e transparência, o CGI.br representa um modelo de governança da Internet democrático, elogiado internacionalmente, em que todos os setores da sociedade são partícipes de forma equânime de suas decisões. Uma de suas formulações são os 10 Princípios para a Governança e Uso da Internet (http://www.cgi.br/principios). Mais informações em http://www.cgi.br/.

Fonte:http://www.nic.br.