Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Governo deve ampliar uso de celulares na prestação de serviços

Notícias

Governo deve ampliar uso de celulares na prestação de serviços

47% dos brasileiros com 10 anos ou mais usaram a internet por dispositivos móveis em 2014

publicado: 30/09/2015 01h00 última modificação: 20/04/2016 11h11

O secretário de Logística e Tecnologia da Informação, Cristiano Heckert, defendeu hoje (30) a ampliação dos serviços públicos prestados por dispositivos móveis no 1° Fórum de Segurança e Tecnologias da Informação do Instituto Brasileiro de Governança Pública (IBGP), em Brasília. Para o representante do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP), o crescimento do uso de celulares e tablets entre cidadãos demonstra a necessidade de reorganização do governo brasileiro.

FORUM_IBGP.jpeg

“É preciso um Estado que se construa a partir das necessidades da sociedade e se entenda como um prestador de serviços, focado em atender os anseios das pessoas. Isso exige um redesenho na forma como as organizações públicas estão estruturadas e como elas organizam o seu processo de trabalho”, disse Heckert.

Dados da 10ª edição da pesquisa TIC Domicílios, realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), reforçam o argumento do secretário. Segundo o documento, 47% dos brasileiros com 10 anos ou mais usaram a internet pelo celular em 2014, o que representa, em números absolutos, 81,5 milhões de pessoas.

Entre as ações do MP apresentadas pelo secretário está o aplicativo móvel do Portal do Software Público Brasileiro (SPB). Lançada este mês, a solução traz o catálogo de programas que podem ser utilizados por gestores e servidores na modernização das atividades na Administração Pública Federal (APF). A ferramenta já está disponível na Play Store e em breve será acessível para usuários da Apple.

SPB

O novo SPB foi divulgado pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) no início de setembro. O portal possui 67 soluções voltadas para atender as necessidades de gestores, empresários, professores, estudantes e cidadãos brasileiros.

Fonte: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.