Você está aqui: Página Inicial > Notícias > CERT.br registra aumento de ataques de negação de serviço em 2014

Notícias

CERT.br registra aumento de ataques de negação de serviço em 2014

Notificações de incidentes de segurança também mostram o crescimento de ataques a servidores Web, tentativas de fraude, varreduras e propagação de códigos maliciosos

publicado: 30/03/2015 01h00 última modificação: 10/03/2017 14h52

O Centro de Estudos,

O Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) recebeu 1.047.031 notificações de incidentes de segurança envolvendo redes conectadas à Internet no País em 2014.

Informadas ao CERT.br voluntariamente por administradores de redes e usuários de Internet, as notificações tiveram um aumento de 197% em relação ao ano de 2013. O destaque fica por conta dos ataques de negação de serviço (DoS, do inglês Denial of Service), que totalizaram 223.935 notificações, um número 217 vezes maior que o registrado em 2013.

Os ataques de negação de serviço são aqueles em que o atacante utiliza um computador ou um conjunto deles para tirar de operação um serviço, computador ou rede. “Ativismo digital, extorsão, vandalismo e relação com jogos on-line constituem as principais motivações por trás desse tipo de ataque”, explica Cristine Hoepers, gerente do CERT.br.
A maior parte das notificações recebidas foi relativa a servidores mal configurados no Brasil sendo abusados para amplificar ataques de negação de serviço. "Este tipo de ataque só funciona porque as redes abusadas não implementam uma técnica chamada Antispoofing. É importante que todos os provedores de conectividade e todas as empresas implementem esta técnica, para reduzir os impactos dos ataques", complementa Cristine.  Detalhes sobre esta boa prática podem ser encontrados em http://bcp.nic.br/entenda-o-antispoofing/.

Cristine reforça, contudo, que outras técnicas continuam sendo utilizadas e que os usuários de Internet devem seguir práticas de prevenção para evitar que seus computadores sejam infectados e usados para ataques contra terceiros, contribuindo desta forma com a segurança da Internet. “Ações simples podem minimizar os riscos e diminuir a vulnerabilidade da máquina, como ter um bom antivírus atualizado e instalado, manter programas e sistema operacional atualizados e instalar um firewall pessoal. Também é importante evitar abrir sítios e links recebidos ou presentes em páginas duvidosas”, recomenda.

Tentativas de Fraude
As notificações de tentativas de fraude constituem a maior parte (44%) dos relatos recebidos pelo CERT.br em 2014. Foram 467.621, um número cinco vezes maior do que o de 2013. Os casos de páginas falsas de bancos e sítios de comércio eletrônico (phishing clássico) cresceram 80% e os casos de páginas falsas não relacionadas com fraudes financeiras, como as de serviços de webmail e redes sociais, tiveram um aumento de 73% em 2014.

Ataques a servidores Web
Os ataques a servidores Web aumentaram 54% em relação a 2013, totalizando 28.808 notificações recebidas. São casos em que os atacantes exploram vulnerabilidades em aplicações Web para, então, hospedar nesses sítios páginas falsas de instituições financeiras, Cavalos de Troia, ferramentas utilizadas em ataques a outros servidores Web e scripts para envio de spam ou scam.

Assim como em 2013, o CERT.br observou em 2014 uma grande quantidade de notificações de ataques de força bruta contra sistemas de gerenciamento de conteúdo (CMS, do inglês Content Management System), tais como WordPress e Joomla.  Estes ataques foram, em sua maioria, tentativas de adivinhação das senhas das contas de administração destes sistemas – que podem ser prevenidos com a escolha de boas senhas em conjunto com o uso de verificação ou autenticação em duas etapas, tema do último fascículo da Cartilha de Segurança para Internet produzida pelo CERT.br.

Varreduras e propagação de códigos maliciosos
As ações com intuito de identificar quais computadores estão ativos e quais serviços estão sendo disponibilizados por eles, conhecidos como varreduras, totalizaram 263.659 notificações em 2014, representando um aumento de 59%. As notificações de varreduras de SMTP (25/TCP), que em 2013 eram 35% do total, registraram diminuição e correspondem, em 2014, a 24% de todas as varreduras.

Os serviços que podem sofrer ataques de força bruta continuam sendo visados: SSH (22/TCP) corresponde a 21% das notificações de varreduras de 2014, FTP (21/TCP) a 12% e TELNET (23/TCP) a 10%. O CERT.br observou durante o ano de 2014 o crescimento de varreduras de SIP (5060/UDP), um protocolo de comunicação muito utilizado na transmissão de Voz sobre IP (VoIP). No ano de 2012, representava menos que 0,7% do total de varreduras, mas saltou para 2,1% no ano de 2013 e, em 2014, representa 2,3% das notificações recebidas.

As notificações de atividades relacionadas com a propagação de worms (programas capazes de se propagar automaticamente pelas redes, enviando cópias de si mesmo de computador para computador) e bots (programas que dispõe de mecanismos de comunicação com o invasor que permitem que ele seja controlado remotamente) totalizaram 42.191 em 2014, aumentando 51% em comparação com 2013.

Para ter acesso aos gráficos e dados estatísticos completos das notificações de incidentes de segurança recebidas pelo CERT.br no ano de 2014 e períodos anteriores, visite: http://www.cert.br/stats/. Conheça também o glossário da Cartilha de Segurança para Internet.

Sobre o CERT.br
O CERT.br é o Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil. Desde 1997, o grupo é responsável por tratar incidentes de segurança envolvendo redes conectadas à Internet no Brasil. O Centro também desenvolve atividades de análise de tendências, treinamento e conscientização, com o objetivo de aumentar os níveis de segurança e de capacidade de tratamento de incidentes no Brasil. Mais informações em http://www.cert.br/.

Sobre o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC.br
O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR — NIC.br (http://www.nic.br/) é uma entidade civil, sem fins lucrativos, que implementa as decisões e projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil. São atividades permanentes do NIC.br coordenar o registro de nomes de domínio — Registro.br (http://www.registro.br/), estudar, responder e tratar incidentes de segurança no Brasil — CERT.br (http://www.cert.br/), estudar e pesquisar tecnologias de redes e operações — CEPTRO.br (http://www.ceptro.br/), produzir indicadores sobre as tecnologias da informação e da comunicação — CETIC.br (http://www.cetic.br/), fomentar e impulsionar a evolução da Web no Brasil — Ceweb.br (http://www.ceweb.br/) e abrigar o escritório do W3C no Brasil (http://www.w3c.br/).

Sobre o Comitê Gestor da Internet no Brasil – CGI.br
O Comitê Gestor da Internet no Brasil, responsável por estabelecer diretrizes estratégicas relacionadas ao uso e desenvolvimento da Internet no Brasil, coordena e integra todas as iniciativas de serviços Internet no País, promovendo a qualidade técnica, a inovação e a disseminação dos serviços ofertados. Com base nos princípios de multilateralidade, transparência e democracia, o CGI.br representa um modelo de governança multissetorial da Internet com efetiva participação de todos os setores da sociedade nas suas decisões. Uma de suas formulações são os 10 Princípios para a Governança e Uso da Internet (http://www.cgi.br/principios). Mais informações em http://www.cgi.br/.

Fonte: http://www.nic.br.

Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) recebeu 1.047.031 notificações de incidentes de segurança envolvendo redes conectadas à Internet no País em 2014.

Informadas ao CERT.br voluntariamente por administradores de redes e usuários de Internet, as notificações tiveram um aumento de 197% em relação ao ano de 2013. O destaque fica por conta dos ataques de negação de serviço (DoS, do inglês Denial of Service), que totalizaram 223.935 notificações, um número 217 vezes maior que o registrado em 2013.

Os ataques de negação de serviço são aqueles em que o atacante utiliza um computador ou um conjunto deles para tirar de operação um serviço, computador ou rede. “Ativismo digital, extorsão, vandalismo e relação com jogos on-line constituem as principais motivações por trás desse tipo de ataque”, explica Cristine Hoepers, gerente do CERT.br.
A maior parte das notificações recebidas foi relativa a servidores mal configurados no Brasil sendo abusados para amplificar ataques de negação de serviço. "Este tipo de ataque só funciona porque as redes abusadas não implementam uma técnica chamada Antispoofing. É importante que todos os provedores de conectividade e todas as empresas implementem esta técnica, para reduzir os impactos dos ataques", complementa Cristine.  Detalhes sobre esta boa prática podem ser encontrados em http://bcp.nic.br/entenda-o-antispoofing/.

Cristine reforça, contudo, que outras técnicas continuam sendo utilizadas e que os usuários de Internet devem seguir práticas de prevenção para evitar que seus computadores sejam infectados e usados para ataques contra terceiros, contribuindo desta forma com a segurança da Internet. “Ações simples podem minimizar os riscos e diminuir a vulnerabilidade da máquina, como ter um bom antivírus atualizado e instalado, manter programas e sistema operacional atualizados e instalar um firewall pessoal. Também é importante evitar abrir sítios e links recebidos ou presentes em páginas duvidosas”, recomenda.

Tentativas de Fraude
As notificações de tentativas de fraude constituem a maior parte (44%) dos relatos recebidos pelo CERT.br em 2014. Foram 467.621, um número cinco vezes maior do que o de 2013. Os casos de páginas falsas de bancos e sítios de comércio eletrônico (phishing clássico) cresceram 80% e os casos de páginas falsas não relacionadas com fraudes financeiras, como as de serviços de webmail e redes sociais, tiveram um aumento de 73% em 2014.

Ataques a servidores Web
Os ataques a servidores Web aumentaram 54% em relação a 2013, totalizando 28.808 notificações recebidas. São casos em que os atacantes exploram vulnerabilidades em aplicações Web para, então, hospedar nesses sítios páginas falsas de instituições financeiras, Cavalos de Troia, ferramentas utilizadas em ataques a outros servidores Web e scripts para envio de spam ou scam.

Assim como em 2013, o CERT.br observou em 2014 uma grande quantidade de notificações de ataques de força bruta contra sistemas de gerenciamento de conteúdo (CMS, do inglês Content Management System), tais como WordPress e Joomla.  Estes ataques foram, em sua maioria, tentativas de adivinhação das senhas das contas de administração destes sistemas – que podem ser prevenidos com a escolha de boas senhas em conjunto com o uso de verificação ou autenticação em duas etapas, tema do último fascículo da Cartilha de Segurança para Internet produzida pelo CERT.br.

Varreduras e propagação de códigos maliciosos
As ações com intuito de identificar quais computadores estão ativos e quais serviços estão sendo disponibilizados por eles, conhecidos como varreduras, totalizaram 263.659 notificações em 2014, representando um aumento de 59%. As notificações de varreduras de SMTP (25/TCP), que em 2013 eram 35% do total, registraram diminuição e correspondem, em 2014, a 24% de todas as varreduras.

Os serviços que podem sofrer ataques de força bruta continuam sendo visados: SSH (22/TCP) corresponde a 21% das notificações de varreduras de 2014, FTP (21/TCP) a 12% e TELNET (23/TCP) a 10%. O CERT.br observou durante o ano de 2014 o crescimento de varreduras de SIP (5060/UDP), um protocolo de comunicação muito utilizado na transmissão de Voz sobre IP (VoIP). No ano de 2012, representava menos que 0,7% do total de varreduras, mas saltou para 2,1% no ano de 2013 e, em 2014, representa 2,3% das notificações recebidas.

As notificações de atividades relacionadas com a propagação de worms (programas capazes de se propagar automaticamente pelas redes, enviando cópias de si mesmo de computador para computador) e bots (programas que dispõe de mecanismos de comunicação com o invasor que permitem que ele seja controlado remotamente) totalizaram 42.191 em 2014, aumentando 51% em comparação com 2013.

Para ter acesso aos gráficos e dados estatísticos completos das notificações de incidentes de segurança recebidas pelo CERT.br no ano de 2014 e períodos anteriores, visite: http://www.cert.br/stats/. Conheça também o glossário da Cartilha de Segurança para Internet.

Sobre o CERT.br
O CERT.br é o Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil. Desde 1997, o grupo é responsável por tratar incidentes de segurança envolvendo redes conectadas à Internet no Brasil. O Centro também desenvolve atividades de análise de tendências, treinamento e conscientização, com o objetivo de aumentar os níveis de segurança e de capacidade de tratamento de incidentes no Brasil. Mais informações em http://www.cert.br/.

Sobre o Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC.br
O Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR — NIC.br (http://www.nic.br/) é uma entidade civil, sem fins lucrativos, que implementa as decisões e projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil. São atividades permanentes do NIC.br coordenar o registro de nomes de domínio — Registro.br (http://www.registro.br/), estudar, responder e tratar incidentes de segurança no Brasil — CERT.br (http://www.cert.br/), estudar e pesquisar tecnologias de redes e operações — CEPTRO.br (http://www.ceptro.br/), produzir indicadores sobre as tecnologias da informação e da comunicação — CETIC.br (http://www.cetic.br/), fomentar e impulsionar a evolução da Web no Brasil — Ceweb.br (http://www.ceweb.br/) e abrigar o escritório do W3C no Brasil (http://www.w3c.br/).

Sobre o Comitê Gestor da Internet no Brasil – CGI.br
O Comitê Gestor da Internet no Brasil, responsável por estabelecer diretrizes estratégicas relacionadas ao uso e desenvolvimento da Internet no Brasil, coordena e integra todas as iniciativas de serviços Internet no País, promovendo a qualidade técnica, a inovação e a disseminação dos serviços ofertados. Com base nos princípios de multilateralidade, transparência e democracia, o CGI.br representa um modelo de governança multissetorial da Internet com efetiva participação de todos os setores da sociedade nas suas decisões. Uma de suas formulações são os 10 Princípios para a Governança e Uso da Internet (http://www.cgi.br/principios). Mais informações em http://www.cgi.br/.

Fonte: http://www.nic.br.